terça-feira, 29 de maio de 2012

Micheluca


"Nós os perecíveis, tocamos metais, vento, margens do oceano, pedras, sabendo que continuarão, imóveis ou ardentes, e eu fui descobrindo, nomeando todas as coisas: foi meu destino amar e despedir-me".
                                     
     Pablo Neruda
                                                                                            

Não é fácil transmitir sentimentos, menos ainda por escrito. Sinto-me triste e desolada. Sua ausência física nunca foi motivo de esquecimento. Você esteve e estará sempre presente em minhas doces e belas lembranças, de nossa infância, com Glorinha, Pedro e Marcelo. Os anjos são espíritos puros entre o céu e a terra. Nunca nos abandonam, eles aguardam uma fresta de luz em nossos corações para orientar-nos e você é como os anjos, Deus concedeu-lhe a graça que o fez e o faz resplandecer em beleza e dignidade. Como um verdadeiro budista você sabe que a vida e a morte são unas com o universo. No nascimento de uma única vida, há a aprovação e cooperação do universo inteiro. Todos tem uma missão e é por essa razão que nascemos. Se compararmos o universo ao vasto oceano, cada vida é uma onda que se levanta na superfície do oceano e quando ela volta é a morte. Quando isso acontece, nossa vida funde-se, exatamente, com o estado do Universo referente à condição em que nos encontrávamos, no momento da morte. E, você estava no estado de Alegria, Meditação e Amor e uma vida dedicada a esse propósito, certamente, atingirá a iluminação.

Um comentário:

Francine disse...

OM MANI PADME HUM